QUANDO CUIDAR DA SAÚDE VIRA DOR DE CABEÇA

28 de novembro de 2018

Plano de Saúde

Como evitar que os reajustes dos planos de saúde atrapalhem sua vida.

Os cuidados com a saúde podem ficar complicados quando esbarram na parte financeira. O reajuste de preço do plano de saúde costuma dar dor de cabeça para muitas pessoas, comprometendo o orçamento familiar.

Todos os anos, o governo divulga os índices permitidos, que podem incluir ou não o plano de saúde odontológico. A ANS é o órgão responsável por esse controle, que define e autoriza os reajustes dos planos de saúde.

Muitos consumidores com plano de saúde empresarial ou plano de saúde individual sofrem com os reajustes anuais, muitas vezes acima dos índices de inflação, tornando difícil a manutenção do convênio médico.

Os reajustes dos planos de saúde costumam ser praticados pela maioria das operadoras de planos de saúde e podem atrapalhar muito a vida dos consumidores. Apesar dos aumentos estarem previstos em contrato, é preciso ficar atento para não pagar um reajuste abusivo.

Os reajustes dos planos de saúde empresariais ou particulares ocorrem porque o governo limita, mas não define os valores praticados. Portanto, o aumento repentino do plano de saúde pode ocorrer livremente. Segundo as operadoras, a diferença entre os valores ocorre devido a custos como mudança no perfil do médico, frequência com que os benefícios são utilizados (consultas, exames e internação), envelhecimento da população, encarecimento de equipamentos e remédios, investimento em novas tecnologias e custos com saúde.

Além dos reajustes anuais devido à inflação, os convênios médicos praticam o reajuste por mudança de faixa etária, que ocorre cada vez que o beneficiário extrapola as faixas etárias pré-definidas em contrato. Assim, se coincidirem a mudança de faixa etária e o aniversário do plano, o consumidor terá dois reajustes no seguro saúde mesmo ano.

É válido lembrar que o consumidor pode optar por mudar de plano de saúde. Mesmo quem tem o mesmo convênio médico há anos, pode optar pela portabilidade de plano de saúde e mudar para outra operadora. A prática de migrar de uma operadora para outra é comum para redução de custos.  Dessa maneira, é possível manter a qualidade da rede de atendimento, mas com custo reduzido.

Os reajustes entre os planos de saúde individual e empresarial são diferentes. No caso do plano de saúde individual, a seguradora recebe apenas uma mensalidade, o que torna importante que haja um reajuste mais alto, para cobrir custos e encargos a cada virada de ano. O mesmo não ocorre no plano de saúde empresarial. Por serem vários consumidores por convênio médico, são várias mensalidades em um só seguro saúde.

Assim, a seguradora faz uma avaliação do plano de saúde coletivo, geralmente com um reajuste muito mais em conta, já que movimenta um volume muito maior. Por conta disso, o reajuste para plano de saúde empresarial é negociado diretamente com a operadora de planos de saúde, sem que haja intromissão do governo. Acaba sendo mais vantajoso para muitos consumidores terem um plano de saúde empresarial do que o individual.

Para evitar dores de cabeça, é importante ler bem o contrato com bastante atenção. Outro ponto essencial é contar com um corretor idôneo e profissional, que se preocupa com o que é melhor para você, como os corretores da Rotta Seguros. Operadoras como a Unimed, Amil, Bradesco e Sul América, podem aplicar índices menores ou mesmo manter os valores das mensalidades, sem adotar o reajuste.

Antes de fazer sua cotação de plano de saúde, tome esses cuidados para evitar surpresas desagradáveis depois. Faça agora mesmo uma simulação online de plano de saúde, no site da Rotta Seguros.


Deixe um Comentário



Open chat